AFINAL, O QUE É PSORÍASE?

*post patrocinado – autor Novartis

Fuja Dos 5 Erros Mais Comuns De Quem “Acha” Que Sabe O Que É A Doença!

1. A psoríase não é “só” uma doença de pele, ela é SISTÊMICA. Se a psoríase atingisse exclusivamente a pele, seus impactos já seriam grandes, uma vez que a pele é o maior e mais exposto órgão do nosso corpo. Mas a psoríase vai muito além. Inicialmente, porque a psoríase pode atingir também as articulações (ou juntas) do corpo, essenciais para nossa mobilidade. E não é só por isso: a psoríase é, na verdade, uma “doença sistêmica”1-2, e pode estar associada a uma série de outras doenças, como diabetes, doença cardiovascular (como infarto) e transtornos psicológicos¹.  A doença vai tão além da pele, que as pessoas com psoríase grave, por exemplo, podem diminuir de 3 a 4 anos na expectativa de vida¹. E agora, está convencido de que a psoríase não é “só” uma questão de pele?

2. A psoríase NÃO é contagiosa! Esse erro de achar que a psoríase pode passar de uma pessoa para outra parece básico, mas, acredite: infelizmente, ainda tem muita gente que não sabe que a psoríase NÃO é contagiosa³. Ajude a educar as pessoas: a psoríase é uma doença crônica e imunomediada, que para se desenvolver depende, entre outros fatores, da suscetibilidade genética³. Então, de uma vez por todas: a psoríase NÃO é contagiosa! Espalhe essa informação!
3. O dermatologista não é o único responsável pelo tratamento! O tratamento da psoríase é multidisciplinar, ou seja, conta com a participação de diferentes especialidades médicas como: dermatologista, reumatologista e o psiquiatra, e de outros profissionais de saúde, como enfermeiros, psicólogos, dentistas, nutricionistas, fisioterapeutas e podólogos 4. Além disso, é importante que ele esteja envolvido com associações de pacientes para troca de informação e fortalecimento pessoal.
4. Ainda não existe cura para a psoríase, mas existe controle mesmo em casos graves! A medicina e as pesquisas evoluíram muito nas últimas décadas, mas ainda não foi descoberta a cura para a psoríase 5. Então, não acredite em soluções milagrosas ou promessas de cura, mas também não se acomode. Siga o tratamento recomendado pelo seu médico com disciplina e lembre-se: o fato de não haver cura não significa que você precisa aceitar e conviver com as lesões. Converse com seu médico, busque o melhor tratamento, aquele que vai te permitir ficar livre das lesões na pele, viver com menos crises e mais qualidade de vida! Pode ser que não seja o primeiro tratamento e nem o segundo, mas com o tempo, vocês encontrarão a solução ideal para você, independente da gravidade da sua psoríase (sim, mesmo os tipos mais graves têm controle!)6.  Ah, e diga “não” à automedicação, por favor!
5. É possível viver bem, apesar da psoríase! Pode não ser fácil para muitos pacientes, mas é sim possível. Para isso, é fundamental que os pacientes estejam envolvidos com o tratamento, aprendam a reconhecer e a prevenir uma crise de psoríase e, principalmente, que tenham confiança e um diálogo aberto com os médicos e profissionais de saúde responsáveis pelo tratamento. Assim, é possível monitorar o estado de saúde do paciente e sua resposta ao tratamento proposto, e buscar alternativas e novas terapias, sempre que necessário. E não abra mão de uma boa alimentação, atividades físicas e de lazer regulares, e nem da vaidade!
Confira algumas outras dicas!
Para saber mais clique aqui
2018-09-22T11:39:57+00:00

Deixe o seu Comentário